03 May 2007

Show do Silvério Pessoa

Eu não vou poder falar muito do show do Silvério (na foto comigo). Para ler sobre a apresentação dele aqui em Tokyo, vocês precisam esperar pela próxima edição do International Press. Mas, aqui posso comentar sobre umas coisas que não vão sair na matéria. Vou falar como fã e não como jornalista.

Primeiro, quero dizer que foi emocionante revê-lo. Eu trabalhei com o Silvério em 1994 no Conselho Regional de Contabilidade de Pernambuco (CRC-PE). Antes de ser famoso, ele atuava como contador e, depois que os dois saímos do CRC-PE, sempre nos encontrávamos em festas no Recife. Quem conhece a cidade sabe, o Recife é um ovo - tem até comunidade no Orkut com esse nome!

Ele é um cara super simples. E não estou sendo generosa só porque ele é do Recife, como alguns podem pensar. Já conheci muitas malinhas vindas daquelas bandas. Cruzes! Gente até menos famosa que o Silvério e que se acha a cocada que envenenou Lampião. (Antes que perguntem, como já aconteceu, Lampião não morreu envenenado... muito menos por uma cocada! É só uma das mil expressões que usamos para dizer que a "pessoa se acha").

O fato é que foi meu primeiro show de um artista brasileiro desde que saí do Recife, em janeiro de 2004, e ter sido regado a muitos ritmos da terrinha foi bom demais da conta. Dancei de me acabar! Estava trabalhando, mas, honestamente, nem parecia. Trabalho assim pode aparecer toda semana! Prometo não reclamar! :p

Depois do show, graças a uma japonesa que conheci (e que morou em Olinda), chamada Makiko, eu consegui me infiltrar nos bastidores. O marido da Makiko, Gustavo, conhece o Silvério e tinha passado boa parte do dia com ele hoje. Só que o Gustavo teve que trabalhar e não estava lá. Mas, como eu dizendo, graças a ela, eu conversei um pouco com o Silvério, que disse ter lembrado de mim. Deve ter lembrado sim, mas claro que querer que ele soubesse meu nome era demais da conta. Dei meu cartão de visita para ele e, de quebra, ainda fiz umas perguntas sobre o show para poder usar na minha matéria.

Quero destacar a organização dos japoneses. Eu já tinha ido para o show do U2, mas achei que não seria a mesma coisa - afinal, estamos falando de super astros da música mundial. Mas, foi sim. O Silvério entrou no palco, exatamente, às 18h30 - horário marcado. Isso é outra coisa legal. Ao contrário do Recife, onde os shows sempre começam depois das 22h, aqui tudo é cedinho. Afinal, as pessoas precisam voltar para casa de trem depois. Eu, particularmente, amo isso porque sou meio caseira e não gosto de voltar para casa tarde. E, para terminar, o local do show era muito agradável. Uma arena praticamente ao ar livre no meio do Roppongi Hills, um dos edifícios comerciais mais badalados de Tokyo.

Quem não conhece o Silvério e ficou curioso para conhecê-lo, tem vários vídeos dele no YouTube. O cara é de uma energia fantástica e a música dele é muito gostosa. É só dar uma busca pelo nome dele e vai aparecer um monte de coisa. Eu selecionei um vídeo. Para vê-lo, é só clicar aqui.

2 comments:

Karuzo said...

Imagino a emoção que vc teve de ter encontrado uma pessoa conhecida de anos, no Japão e ainda por cima famoso. Maneiro! Eu que reencontrei o pai de um amigo meu depois de anos fiquei feliz, imagino vc...

Anonymous said...

Nossa Gisele e demais esse clipe esse cara e o maximo em eu vi um video dele apanhei la no Video Ezy tao legal, adorei. bjs da Veronica