09 January 2007

Fui maltratada!

Pensei que nunca presenciaria algo como o que aconteceu comigo hoje. Eu fiz um caderno especial sobre estrangeiros (não-brasileiros) que moram no Japão e muitos reclamaram que sofreram preconceito aqui. Eu sempre soube que existia um tratamento diferenciado para os estrangeiros, mas nunca achei que sentiria “na pele” a discriminação. Pensei que seria um preconceito do tipo que existe no Brasil contra os negros. Um racismo meio mascarado, que muita gente finge que não existe e é apenas declarado pelos mais radicais.

Pois bem... Hoje, voltando de uma entrevista, entrei no trem e tinha um lugar vago do lado de um senhor. Quando fui sentando ele bateu levemente na minha perna e disse (em inglês): “Estrangeira, não sente aqui!”. Eu fiquei passada a ferro na hora. Não sabia o que dizer, juro! Já teve situações em que eu já estava sentada e os japoneses não sentavam ao meu lado. Até aí, tudo bem. É um direito de escolha que a pessoa tem, mas esse meu direito hoje foi banido pelo tal senhor. Depois que comentei com algumas pessoas, vieram sugestões do tipo: “você devia ter mandado ele se f***” e “você devia ter chutado a canela dele”.

A única coisa que fiz foi mudar de vagão – até porque todo mundo ficou olhando para mim. Fiquei com muita vergonha e com pena dele. Coitado! Que alma pequena e que espírito pobre ele tem. Carma um dia vai acertar as coisas com ele, mas eu não!

* Na ilustração, o ideograma japonês que simboliza a palavra carma, que eu estava em dúvida se escrevia com “c” ou “k”, mas olhei no dicionário e já foi aportuguesada. Em tempo: Sílvia, obrigada pelos esclarecimentos a respeito do ideograma. :p

14 comments:

Silvia said...

Gi, minha amiga!
Puxa, se eu estivesse no trem, voce pode ter certeza! Esse cara ia ouvir o que MERECE! Mas eu ja vi muita coisa acontecer dentro desses trens de Tokyo. Da ate para escrever um livro... Ja levei bronca pq estava lendo uma Veja, ja vi namorado fingir que estava dormindo enquanto um bebado mexia com a companheira dele... ja vi de tudo e escuto muitas historias. Fico pensando... um pais tao civilizado, como pode acontecer essas coisas. Mas acontecem.

Raquel said...

Imagino que o choque tenha te deixado mesmo sem fala. Mas eu ia querer saber por que eu não podia sentar lá. Queria ver o cara se enrolar todo pra explicar.

Anonymous said...

Oi Gisele
Pensei que só os americanos eram prepotentes. Estou perdendo todo o encanto que tinha pelo Japão e pelos orientais de um modo geral.
Atenda um pedido do seu velho pai: Aprenda mandar alguém tomar no ** em japonês e, na próxima vez mande-o.

Vamos ver o lado bom da coisa. Talvez ele fosse leproso e não queria contaminar uma criatura tão linda como você (gostou?).
Beijos
Elias
Como faço para deixar de ser "anônimo"?

Para o alto e avante! said...

Gi!
que coisa! fiquei passado! Mas eu gostei da sugestao do seu pai. De repente ele tinha uma doenca contagiosa e nao queria passar para vc.
Te cuida!
Ta me devendo um cafe!
bjos

stella said...

ô, querida.

você tomou a melhor atitude. saiu de perto. todo o meu carinho para você, que jamais será estrangeira no meu coração.

Peterson said...

Que raiva do veio do trem, hein?!
Numa situacao dessas, nao dah nem prah reagir... mas vc fez bem. Ficou na sua, e saiu; nem sei o que eu faria. Bobagem Gi... vc nao tah ai porque nao tem outra opcao, tipo refugiado de guerra..hahah! Tah ai bem chique, por escolha e por tempo limitado, conhecendo uma nova parte do mundo. Logo eles vao sentir sua falta...hehehe

Beijos minha linda!

Paula said...

Pois eu continuo achando q vc deveria ter xingado, chutado ou pelo menos falado "doshite"?

Velhinho ridículo...

Gisele Scantlebury said...

Sílvia, imagino mesmo que vocês que moram há muito tempo no Japão já tenham visto "de um tudo". Um dia preciso ouvir suas histórias, viu? Beijos e obrigada pela força.

Raquel, já basta o tempo que eu perco tento fazer as pessoas me entenderem. Não ia gastar meu inglês com esse racista bobo! :p

Paizão, adorei o jeito Polyanna de encarar a situação. Boa! Boa! Para deixar de ser anônimo, quando você for deixar um comentário, clica em "other". Aí, vai aparecer uma caixinha para você botar seu nome.

Pois é, Ewerthon. Mas, ainda bem que racismo não é contagioso, né?

Stellinha, no meu coração você também tem residência permanente e até cidadania!

Peterson, adorei seu comentário. Realmente, estou aqui por opção - o que não parece ser a situação do tal senhor. O pior é a alma dele também estar presa, né?

Paula, foi a você mesmo que eu estava me referindo no post... obrigada pela visita e pelo comentário. :p

stella said...

mafa, fred mandou dizer pro mal-educado:
"vá tomá no furico, né?"

bem ligeiro, parece japonês, hahahhaha


maridinho mais boca-suja que eu tenho ;)

Juliana and Tim said...

Gi,
Se isso acontecer com voce novamente responde em portugues mesmo, tenho certeza que ele vai entender.
Que situacao menina!!!
Contei p/ o Tim e ele disse para voce responder:"Ah! Now I understand why Koreans hate Japonese people of your generation"...
Beijos LINDA,
:)

Anonymous said...

Nossa Gi vc deveria mandar o veio p. aquele lugar sabes! hahaha... se outra dessas situacoes nao abaixa a cabeca nao fica na cadeira sim, tipico de racismo ne, em Londres eu tmbem encontrava algo parecido sim, bjs da Veronica TO MORRENNNDDDOOO DE SAUDADES SUAS

Anonymous said...

Gi, lembro que, quando eu tava na faculdade, voltando pra casa, cansada, quase meia noite, um dos ultimos onibus...Sem comentarios, mas teve um senhor que fez algo parecido e eu nunca me esqueci...Como o onibus tava lotado e ja nao tinham idosos pra entrar, eu sentei no banco reservados...Dai ele mandou eu sair...Fiquei arrasada e achando que tinha feito algo muiiito ruim...Mas depois pensei melhor e conclui que, assim como no seu caso, eles e que tem problemas, nos somos normais!
fica com Deus e boa de saude, viu???
Vanessa Berry

Anonymous said...

Bem, se for no banco para idosos acho que tem que mandar sair mesmo. Pq gaijin vive se esparramando em banco para idosos, colocando bolsas nos lugares onde o povo senta. Mas, nao foi o seu caso e acho que vc agiu legal. Mas, eu teria mandado ele pra pqp.

Gisele Scantlebury said...

Anonimo, eu ja vi muitos japoneses colocarem as bolsas/sacolas nos bancos. Entao, nao eh coisa so de gaijin nao. Agora, confesso, se o trem nao esta cheio, nao coloco minhas coisas no chao. Quando comeca a encher, tudo bem. Acho que ninguem merece ficar em pe e minhas coisas ficarem "sentadas".